Como Mark Zuckerberg conseguiu recuperar a reputação da Meta

Bloomberg Opinion — Embora as multas aplicadas à Meta Platforms (META) nos últimos anos tenham chegado à casa dos bilhões de dólares, há muito tempo acho que a maior punição para o CEO Mark Zuckerberg foi a estagnação que sua empresa sofreu. No fundo, Zuckerberg parecia mal equipado e desinteressado em desempenhar o papel diplomático necessário para tirar a reputação da rede social da sarjeta.

Isso significava que os esforços para inovar desmoronavam sob o peso da péssima reputação da Meta. Por exemplo, o dispositivo de bate-papo por vídeo “Portal”, lançado em 2018, era um produto com bom preço e extremamente fácil de usar. Ele foi recebido com escárnio: o Facebook quer colocar uma câmera na minha casa? É sério?

Posteriormente, os esforços da Meta para lançar uma criptomoeda, com proteções muito superiores a projetos semelhantes, foram essencialmente encerrados logo no início pelos órgãos reguladores americanos. A mensagem foi bem clara: depois do que você fez? Esqueça.

É possível ver a pressão estampada em seu rosto ao analisar vídeos da época. As pessoas o chamavam de robô, devido às suas atuações hesitantes diante do Congresso e em várias entrevistas na TV. Enquanto tentava agradar a todos, ele se atrapalhava – como quando argumentou que a negação do Holocausto tinha espaço nos produtos da Meta, como o Facebook. As pessoas começaram a se perguntar se Zuckerberg era o líder engajado e capaz que a Meta precisava. Talvez, como alguns outros jovens fundadores de big techs, a empresa e suas pressões o tivessem afetado. As vozes teriam sido mais altas se não fosse o fato de que o controle de Zuckerberg sobre a empresa impossibilita qualquer destituição. Ninguém tem o poder para isso.

A pandemia trouxe ainda mais infortúnios. Em outubro de 2021, o Wall Street Journal publicou “The Facebook Files”, um vazamento embaraçoso de documentos da empresa pela informante Frances Haugen. No início de 2022, e durante grande parte do ano, a Meta sentiu a dor das recentes mudanças de privacidade feitas pela Apple (AAPL), que dificultaram a coleta de dados para publicidade direcionada; Wall Street temia que o modelo de negócios da Meta pudesse ser irremediavelmente prejudicado. A Meta foi uma das várias big techs forçadas a demitir milhares de funcionários, admitindo que havia se tornado complacente e com excesso de pessoal. Com os investidores ficando preocupados com os gastos da empresa, especialmente com o fantasioso “metaverso”, Zuckerberg prometeu um “ano de eficiência”.

Até agora, está funcionando. O preço das ações da Meta subiu quase 150% nos últimos 12 meses. A publicidade voltou; os níveis de gastos foram moderados; e a IA apresentou novos caminhos para a experimentação. Com o Threads – concorrente do X (antigo Twitter) de Elon Musk – a empresa tem uma nova e inesperada oportunidade de crescimento. Até mesmo as ambições do tão difamado metaverso receberam um impulso quando a Apple anunciou seu headset Vision Pro – validando, até certo ponto, que a visão da Meta sobre a próxima grande plataforma estava no caminho certo.

Outra coisa aconteceu com Zuckerberg durante a pandemia. Ele passou a viver a vida. “Foi uma oportunidade para muitas pessoas reavaliarem o que consideravam significativo em suas vidas”, disse ele ao portal online The Verge esta semana. “O lado bom é que pude passar muito mais tempo com minha família e passamos mais tempo na natureza porque eu não estava indo tanto ao escritório.”

Mesmo sob um olhar cético, o resultado parece ser um CEO mais maduro e tranquilo, que não leva o trabalho tão a sério e, portanto, tornou-se muito melhor em seu trabalho. Sua imagem pública melhorou drasticamente agora que ele parece se preocupar menos com isso. Embora a conversa sobre uma luta contra Musk tenha refletido mal para ambos, Zuckerberg conseguiu parecer o mais digno dos dois quando disse que era hora de parar.

A reviravolta de Zuckerberg ficou bastante clara durante o discurso principal desta semana no Meta Connect, a conferência anual de desenvolvedores da empresa para seus esforços de realidade mista. A apresentação foi uma das mais descontraídas que já vi de um CEO de tecnologia nos últimos anos. Ele brincou com o público, saiu do roteiro e mencionou seus filhos quase tanto quanto mencionou os produtos.

Esses produtos parecem fortes: um headset de realidade mista a um preço bem abaixo do que a Apple está prometendo daqui a alguns meses, e uma série de recursos práticos de IA que podem ser lançados quase imediatamente. Embora os investidores tenham feito uma careta diante da enorme conta de P&D da Meta, esses novos produtos mudaram o clima. “A Meta está em posição de levar ferramentas de IA para bilhões de pessoas”, escreveu um analista em uma nota.

Mas Zuckerberg não pode se dar ao luxo de relaxar. A popularidade do Instagram tem se mantido bem, mas o TikTok é uma ameaça imponente que – a menos que os legisladores americanos intervenham – deve capturar a nova geração de usuários de mídia social. O Threads teve um início empolgante, mas está sofrendo uma queda de engajamento em parte devido à sua abordagem excessivamente cautelosa. Zuckerberg prometeu que o novo fone de ouvido Quest 3 seria um “divisor de águas” – se não for, os investidores talvez queiram que o ano da eficiência seja ainda um pouco mais eficiente. E, embora os temores iniciais sobre o impacto das mudanças de privacidade da Apple pareçam ter diminuído, permanece a dúvida sobre a viabilidade a longo prazo do modelo orientado por anúncios – parece improvável que a Meta cobre por seus principais aplicativos e recursos.

E, apesar da melhora drástica, Zuckerberg ainda não está fora de perigo do ponto de vista político. Sem dúvida, as alegações de censura voltarão à tona com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos. No Canadá, a empresa está travando uma batalha sobre a vinculação à cobertura de notícias. E, depois que Zuckerberg anunciou seus chatbots com IA, a empresa recebeu uma carta do senador democrata americano Edward Markey, pedindo encarecidamente que o lançamento fosse interrompido devido a temores de privacidade. O escrutínio sempre persistirá – e deveria.

Mas Zuckerberg parece estar pronto para o jogo agora. Sua personalidade pública renovada – na qual ele parece um cara estável em comparação com o imprudente Musk e sua empresa sendo uma aposta mais segura quando colocada ao lado do suspeito TikTok – abre caminho para o lançamento de novos produtos.

Ao seu lado, o chefe de assuntos globais da Meta, Nick Clegg, demonstrou que pode conquistar os órgãos reguladores com a mesma habilidade com que conquistou uma geração de eleitores britânicos. Quando as atenções se voltam diretamente para os perigos da IA, a abordagem um pouco mais aberta da Meta em relação ao desenvolvimento da tecnologia, em comparação com outras empresas como a OpenAI, pode ajudá-la a obter pelo menos algum grau de favorecimento político.

Não é de se admirar que Zuckerberg tenha se animado esta semana; o tempo em que ele parecia estar distante das operações cotidianas da Meta ficou para trás. Poucos sugerem que ele deixe o cargo agora. Em um ano extremamente perturbador para a mídia social, Zuckerberg parece estar se saindo bem – e aproveitando.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Dave Lee é colunista da Bloomberg Opinion e cobre a área de tecnologia nos EUA. Foi correspondente do Financial Times e da BBC News.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Executivos retomam viagens, mas perfil muda e traz reflexo ao setor aéreo

We would love to say thanks to the author of this short article for this incredible content

Como Mark Zuckerberg conseguiu recuperar a reputação da Meta